Confúcio tira do governo nomes escolhidos por Pereira e causa um dos maiores embaraços políticos da

06/03/2018

 

Confcio tira do governo nomes escolhidos por Pereira e causa um dos maiores embaraos polticos da histria de Rondnia

 

Confúcio Moura trouxe de volta Enedy Dias para o comando da PM; Celso Viana Coelho é o novo diretor do DER/RO



Porto Velho, RO – O racha está deflagrado – definitivamente. O governador Confúcio Moura (MDB) tomou decisão extremamente constrangedora à política rondoniense defenestrando de vez as indicações promovidas pelo vice Daniel Pereira (PSB) aos cargos do Comando-Geral da Polícia Militar de Rondônia (PM/RO) e Direção-Geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER/RO).

 


Coronel Ronaldo no dia da posse: ficou cinco dias no cargo

 

Daniel Pereira havia dado posse ao coronel Mauro Ronaldo Flores Corrêa, que passou a ocupar o Comando-Geral da PM/RO; no DER/RO, após a queda do ex-diretor Ezequiel Neiva – deposto pelo suposto envolvimento no escândalo da ponte de Ji-Paraná – o vice conduziu o engenheiro Josafá Piauhy Marreiro para que o sucedesse.

 

Mas o panorama mudou completamente.

 

O governador, irritado porque Daniel teria ‘queimado a largada’ e construído prematuramente alterações que lhe deixaram contrariado, tratou de criar, via decreto, um dos episódios mais desconcertantes dos seus oito anos de mandato.

 


Nomeação de Josafá Marreiro também não durou uma semana

 

Com isso, destituiu tanto Mauro Ronaldo Flores quanto Marreiro – de uma vez só; a partir daí, trouxe de volta o coronel Enedy Dias de Araújo ao Comando-Geral da PM/RO. Para o DER/RO, por sua vez, nomeou Celso Viana Coelho.

 

Os decretos foram publicados no Diário Oficial do Estado de Rondônia desta segunda-feira (05).

 

Decisão de Confúcio pega TJ/RO no contrapé

 

O Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ/RO), bem intencionado, deu as boas-vindas ao "novo" comandante-geral da PM/RO, Mauro Ronaldo Flores Corrêa. Ocorre que, no horário em que a notícia foi publicada na página institucional do Poder Judiciário, o coronel Ronaldo já não era mais o comandante – demonstrando que o constrangimento causado pela reviravolta imposta pelo governador não restringe-se apenas ao próprio Executivo.


Quando o TJ/RO deu boas-vindas ao coronel Ronaldo ele já não era mais o comandante-geral

Autor / Fonte: Rondoniadinamica